1 de fevereiro de 2016

O que é o m-Tourism 2.0?

Este conceito, m-Tourism 2.0, foi explorado na minha tese de doutoramento sobre "A utilização de smartphones numa experiência turística em Portugal: estudo sobre a participação nos media sociais através de aplicações para dispositivos móveis". Eis pequenos excertos adaptados que ajudam na compreensão do significado do m-Tourism 2.0 tão presente nos dias de hoje:
Com a conjugação da utilização de dispositivos móveis no turismo e a utilização das ferramentas Web 2.0 em que o turista deixa apenas de pesquisar informação, como também começa a produzir informação, surge o conceito de m-Tourism 2.0. 
m-Tourism 2.0 envolvendo a utilização de dispositivos móveis (mobile) e o conceito Web 2.0 numa experiência turística | Fonte (adaptado): Pereira (2013, p. 84)
Os conteúdos a serem distribuídos através dos dispositivos móveis relacionados com o turismo, sejam eles texto, som, vídeo ou imagem não passam só pelo acesso à informação mas também à produção e à partilha de informação através de várias redes sociais.
De seguida dá-se um exemplo fictício do comportamento de Maria nas diversas fases de uma experiência turística, um utilizador igual a todos nós que gostamos de viajar e partilhar as nossas experiências turísticas nas redes sociais.
Maria pretende tirar um fim de semana de férias e visitar a cidade de Braga, situada na região do Minho, a norte de Portugal. Na preparação dessa viagem decide fazer uma pesquisa sobre os pontos mais turísticos e interessantes a visitar. Para isso, através da Internet, faz uma busca em comunidades em sítios Web de turismo, como por exemplo o VirtualTourist para recolher algumas ideias e dicas de outros utilizadores sobre o que visitar e lugares a evitar.
Exemplo do VirtualTourist com lugares interessantes a visitar na cidade de Braga | Fonte: VirtualTourist
Maria também faz pesquisas em blogues sobre itinerários possíveis que tenham sido realizados a esta cidade e, assim, poder ler sobre as preferências de outros utilizadores e ter acesso a mais informação sobre a cidade.
Depois de decidir o que vai visitar, tem que decidir também onde irá dormir durante a sua estada e para isso vai a uma aplicação de reserva de hotéis, o Booking, e após preencher os dados necessários nos campos específicos, aparece uma listagem dos hotéis disponíveis para a data do fim de semana de férias. De entre a listagem resultante da sua procura escolhe três dos que mais gosta e então decide ver as avaliações que utilizadores e clientes anteriores deixaram sobre esses hotéis. Após analisar os comentários dos clientes, faz a sua escolha e prossegue com a reserva.
Depois de toda esta preparação finalmente chega o fim de semana de férias e Maria parte da cidade onde vive atualmente e chega a Braga. Ao chegar a Braga, Maria está com fome e utiliza a aplicação Foodspotting para descobrir um restaurante perto do sítio onde se encontra e pede um prato que obteve a avaliação mais positiva dos utilizadores da aplicação. O prato que pediu no restaurante tinha uma apresentação tão cuidada que tira uma fotografia e coloca de imediato na sua conta do Instagram.
Exemplo da aplicação Foodspotting com a avaliação de um prato num restaurante da cidade de Braga | Fonte: Foodspotting
À tarde, antes de entrar num museu da cidade, coloca uma mensagem no Twitter a informar do local onde se encontra e recebe uma resposta de um seguidor a sugerir que visite um jardim que tem umas estátuas muito antigas e bonitas que fica a poucos minutos do local do museu. Utilizando uma aplicação de GPS (Global Positioning System) consegue chegar ao tal jardim sem se perder. Quando se depara em frente à maior estátua, através da aplicação Wikitude instalada no seu smartphone, uma aplicação de realidade aumentada, consegue obter informações extras sobre o escultor que a criou.
No final da tarde Maria volta ao hotel e faz um upload no YouTube de um pequeno vídeo das filmagens que fez durante o dia.
Depois de jantar Maria quer relaxar e ir até um bar sossegado. Através da aplicação do TripAdvisor faz uma pesquisa sobre bares da cidade e decide ir a um que recebeu muitos elogios de utilizadores e que até fica perto do hotel onde está hospedada. Quando chega ao bar utiliza a aplicação do Foursquare para fazer check-in [atualmente a possibilidade de fazer check-in passou para a aplicação Swarm] e descobre que um utilizador da rede de amigos dela do Foursquare também se encontra naquele momento no bar. Depois de ter descontraído um pouco e de ter falado com o amigo volta para o hotel e responde aos comentários que outros utilizadores entretanto colocaram ao vídeo que Maria tinha colocado online.
Depois de passar o fim de semana em Braga, Maria volta para a cidade onde vive. Já em sua casa, Maria partilha as fotografias que tirou durante as suas férias e coloca-as na sua página do Facebook. Os seus amigos ao verem as fotografias fazem de imediato likes e comentários a elogiar as suas fotografias. Também decide partilhar as suas impressões sobre o seu fim de semana de férias através de um podcast e convida o amigo que tinha encontrado no bar em Braga para gravarem uma conversa animada sobre as suas impressões da cidade.
Durante a primeira semana após as suas férias responde aos comentários que os seus amigos e seguidores colocaram nas redes sociais em que participa. Entretanto Maria recebe um e-Mail do Booking a agradecer por ter feito a reserva do hotel através da empresa e convida-a a voltar à página da Internet para poder avaliar o hotel onde esteve hospedada em várias categorias, como por exemplo, na categoria da limpeza, do conforto, da localização, dos serviços, dos funcionários e da relação qualidade / preço.
Exemplo do sítio Web do Booking com a avaliação do hotel realizada pelo utilizador | Fonte: Booking
Passado algumas semanas, e com mais tempo, Maria escolhe as melhores fotografias que tirou na sua viagem, e trata digitalmente as mesmas colocando-as de seguida no Flickr.
Faz também um apanhado geral desta sua experiência turística em Braga e coloca uma mensagem no seu blogue de viagem que entretanto decidiu criar.
Como foi acabado de ser exemplificado todos nós, ou quase todos nós, interagimos com os media sociais e recorremos a diferentes aplicações em smartphones consoante a fase da experiência turística em que nos encontramos. Os media sociais e os dispositivos móveis são algo muito presente nas nossas vidas e nas nossas viagens.

Parte do texto aqui escrito foi retirado da minha tese de doutoramento disponível aqui.

ver também
A utilização de smartphones numa experiência turística em Portugal
Entidades turísticas e os media sociais

✎ Utilizas muito o smartphone quando viajas para partilhares as tuas experiências e pesquisares informações sobre o que vais visitar?

Sem comentários :

Enviar um comentário